ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO RECEPTORES DE ESTRÓGENO/HER-2 E SUA RELAÇÃO COM FATORES EPIDEMIOLÓGICOS DE...

RISCO PARA CÂNCER DE MAMA, E PREDITIVOS DE RECIDIVA E PROGNÓSTICO

Pós-graduanda: Marianne Pinotti Orientador: Prof. Dr. Roberto Hegg Data da defesa: 19 de novembro de 2004

A resposta ao tratamento do câncer de mama varia na dependência de fatores epidemiológicos, histológicos e inúmeros outros. Alguns marcadores moleculares têm demonstrado também associação com prognóstico e/ou resposta à terapia. Neste contexto, ainda não totalmente esclarecido, torna-se necessário contribuir para validar de maniera mais apropriada a qualidade e participação dos mesmos. Objetivos: avaliar a associação dos receptores de estrógeno e expressão do gene HER-2, assim como de fatores histológicos e imuno-histoquímicos no prognóstico do câncer de mama e na resposta ao tratamento com tamoxifeno, e estabelecer as possíveis relações dos fatores de risco com porgnóstico. Materiais e métodos: foram estudadas respotropectivamente 309 prontuários de mulheres tratadas por câncer de mama no período de novembro/1988-julho/2004. Os casos foram classificados em função da expressão gênica HER-2 e receptor de estrógeno em três grupos: ambos negativos, opostos e ambos positivos. Avaliaram-se comparativamente nesses o porgnóstico da doença (intervalo livre e tempo de sobrevida), fatores prognósticos (tipo e grau histológico, grau nuclear, tamanho do tumor, linfonodos axilares, Ki-67, p53), HER-2 na predição de resposta ao tamoxifeno, e fatores epidemiológicos de risco. Resultados: o intervalo livre de doença médio no grupo HER-2/RE positivos foi de 6,1 anos e no HER-2/RE negativos de 3,4 anos (p=0,041). O grau histológico III associou-se com o grupo HER-2/RE negativos (p=0,022). Houve indícios de associação do tipo histológico lobular com HER-2/RE positivos (p=0,053). Em mulheres usuárias de tamoxifeno e sobrevida total média nos grupos HER-2 positivo e negativo foi de 5,5 e 4,9 anos, respectivamente (p=0,1768). A menarca antes dos 13 anos relacionou-se com HER-2/RE negativos (p=0,006). Conclusões: o grupo HER-2/RE negativos apresentou pior prognóstico. Registrou-se associação marginalmente significativa do tipo histológico lobular com HER-2/RE positivos, que conferiu melhor prognóstico. O grau histológico III relacionou-se de maneira significativa com o grupo HER-2/RE negativos, de pior prognóstico. A expressão do HER-2 não gerou resistência ao tratamento com tamoxifeno. Dos fatores de risco a menarca antes dos 13 anos associou-se ao grupo HER-2/RE negativos, de pior prognóstico.

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Av. Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 255, Cerqueira César , São Paulo- SP  - CEP 05403-000

Instituto Central - 10º andar - Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

secretariagin.ichc@hc.fm.usp.br

(11) 2661-7621/ 2661-6647

  • Facebook
  • Instagram