ESTUDO DA DOENÇA ENDOMETRIAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA SOB USO CONTÍNUO DE ESTRÓGENOS...

COMBINADOS AO ACETATO DE MEDROXIPROGESTERONA SEMESTRAL

Pós-graduando: Marcelo Gennari Boratto Orientador: Prof. Dr. Hans Wolfgang Halbe Data da defesa: 17 de setembro de 2004

Introdução: o tratamento hormonal combinado contínuo, mensal ou trimestral, é eficaz no controle da doença endometrial, porém com persistência dos efeitos indesejáveis dos progestógenos. Estudos associam maior risco para doença cardiovascular e câncer de mama, quando empregados de maneira contínua. O maior espaçamento no uso dos progestógenos poderia evitar estas desvantagens. Objetivos: determinar as ocorrências da doença endometrial em mulheres na pós-menopausa em uso contínuo de valerato de estradiol por via oral ou hemidrato de estradiol por via transdérmica, combinados ao acetato de medroxiprogesterona (AMP) semestral, por via oral, durante 1 ano. Comparar os resultados segundo o tipo de tratamento: verificar a relação entre a espessura do eco endometrial, doença endometrial e tipo de tratamento; verificar na ocorrência do sangramento uterino e sua relação com tipo de tratamento, doença endometrial e espessura do eco endometrial. Métodos: estudaram-se 129 mulheres na pós-menopausa, com idade entre 42 e 66 anos, submetidas a monitorização ultra-sonográfica, histeroscópica e histopatológica, em 5 tempos, na procura de doença endometrial. Valores de até 5mm foram considerados normais para a espessura do eco endometrial. Resultados: os esquemas empregados mostraram-se ineficazes para a proteção endometrial em 21,7% da amostra global, com hiperplasia simples e pólipos em 18% e 3% respectivamente, independentemente da via de administração do estradiol. Houve aumento crescente na espessura do eco endometrial a partir do terceiro mês, com valores maiores no grupo oral (p=0,012). Sua correlação com doença endometrial foi significativa para maiores do que em 8mm (p<0,01). Os casos com doença endometrial apresentaram espessura do eco endometrial > 8mm em 92,3% e 50% dos casos para oral e gel, respectivamente. O sangramento uterino foi comprovado em 24,6% das mulheres, não havendo relação com a proporção de pacientes portadoras de doença ao longo do tratamento. Conclusões: o uso semestral do AMP não protege o endométrio da ocorrência da doença endometrial, nos esquemas testados. Foi evidenciada relação direta entre a espessura do eco endometrial e a ocorrência de doença endometrial, sendo os maiores valores encontrados no grupo oral. A presença do sangramento durante o tratamento hormonal não é preditiva de doença endometrial, independentemente do tipo de tratamento, sendo que a sua ocorrência esta diretamente relacionada com a espessura do eco endometrial.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

SECRETARIA EXECUTIVA

Rui Madureira

Tel.: 11 98176-2323

DESIGN E TRANSMISSÃO

Monjon Design (Bruno)

Tel.: 11 93455-8141

TERMOS

marca_com_sombra-04-bx.png
  • Facebook
  • Instagram