O doppler colorido como fator prognóstico do câncer de mama

Pós-graduando: João Bosco Ramos Borges Orientador: Prof.Dr. Alvaro da Cunha Bastos Data da defesa: 11/1998 Resumo: O câncer da mama apresenta vascularização responsável pelo crescimento tumoral e as metastizações. O Doppler colorido permite visualizar a neovascularização dos tumores da mama. Embora a vascularização tumoral tenha sido estudada como elemento para o diagnóstico diferencial dos tumores mamários, não há informações sobre o papel prognóstico dos vasos tumorais. No presente estudo foram analisadas 66 pacientes com carcinoma da mama nos estádios I, II e IIIa, no período de novembro de 1995 a outubro de 1997, matriculadas no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e no Centro de Referência à Saúde da Mulher, Nutrição, Alimentação e Desenvolvimento Infantil. O doppler colorido de tumores mamários malignos (n=66) foi comparado com o de mama normal, contralateral (controle), considerando-se o estado menstrual da paciente, tamanho tumoral, estadiamento clínico e graus nuclear e histológico dos tumores, objetivando aclarar aspectos relativos ao seu prognóstico. Observou- neovascularização em 96% dos tumores, sendo que em 95% foram detectados vasos na periferia e em 50% vasos no centro. Somente em 3% não foi possível visualizar vasos. Foi possível dividir os tumores em 3 categorias: com vascularização ++ (com 12 ou mais vasos), vascularização + (com 1 a 11 vasos) e avasculares. Verificou-se que os mais vascularizados (++) apresentavam o suporte angiogênico tanto na periferia quanto no centro do tumor, com predomínio na periferia, não sendo muito os tumores centralmente avasculares. Diferentemente, nos tumores menos vascularizados (+) a neovascularização diminuia no centro e na periferia tumoral com uma grande quantidade de tumores centralmente avasculares. O número de vasos, quando comparado ao estadiamento, foi progressivamente maior à medida que progrediu o estadiamneto clínico. O índice de pulsatilidade foi diferente de acordo com o momento hormonal da vida da paciente (menacme ou pós-menopausa), e o tamanho tumoral não se correlacionou com os índices dopplerfluxométricos. Os resultados desta investigação mostraram também que não houve correlação entre os achados vasculares ao doppler e os graus histológicos e nucleares dos tumores, e que o número médio de vasos na mama com tumor foi significativamente maior que o número médio dos vasos na mama normal. Outrossim, o número de vasos na periferia foi significativamente maior que o número de vasos no centro do tumor.

0 visualização

E-mail:  eventos.secretaria@uol.com.br

Tel:   (11) 2272-4301  (11) 99529-8202 

SECRETARIA EXECUTIVA

AGÊNCIA DE VIAGENS LEVITATUR

TERMOS

simbolo-da-marca-png.png

Site e Transmissões: