TERAPIA HORMONAL E SEXUALIDADE EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA

Pós-graduanda: Sônia Regina Lenharo Penteado Orientadora: Profa. Dra. Angela Maggio da Fonseca Data da defesa: 14 de setemrbo de 2004

Objetivos: verificar os efeitos da terapia hormonal com derivados estrogênicos e progestogênicos, isolados ou associados à metiltestosterona, na sexualidade e nos sintomas climatéricos em mulheres na pós-menopausa e comparar os dois tipos de terapia hormonal. Casuística: selecionaram-se sessenta mulheres sexualmente ativas, com queixas sexuais, com relacionamento estável com parceiro capacitado para o coito, com idade de 42 a sessenta anos (média etária 52,1 ± 4 anos) e tempo de menopausa de um a 28 anos (média 5,6 anos). Excluíram-se mulheres com doenças sistêmicas, doenças psiquiátricas, endócrinas, distopias genitais, tabagistas e usuárias de terapia hormonal ou de medicamentos que apresentavam interferência na sexualidade. Metodologia: realizou-se estudo de coorte progressiva, duplo-cego, randomizado, com duração de 12 meses. As mulheres foram divididas em dois grupos: EP (n=29), medicadas com estrogênios conjugados (EEC) 0,625mg + acetato de medroxiprogesterona (AMP) 2,5mg + placebo, e grupo EP + A (n=31), medicadas com EEC 0,625mg + AMP 2,5mg + metiltestosterona 2,0mg. Para estudar a sexualidade, utilizou-se o Questionário Sexual do Hospital das Clínicas e foram avaliados o desejo sexual, a excitação e a capacidade orgástica nas atividades desenvolvidas com o parceiro, o interesse sexual não vinculado, exclusivamente, às atividades desenvolvidas com o parceiro, o interesse sexual vinculado, exclusivamente, às atividades desenvolvidas com o parceiro, a dispareunia, a secura vaginal e a freqüência sexual. Para as análises estatísticas, utilizaram-se Modelos Lineares Gerais para Medidas Repetidas, Análise de Variância (ANOVA), Modelos de Regressão Logística Multinominal e Qui-quadrado de Pearson. O nível de significância foi de 5%. Resultados: Nos grupos EP + EP + A, houve aumento no escore de desejo sexual vinculado, exclusivamente, às atividades desenvolvidas com o parceiro (F= 18,334; p < 0,001), no escore de excitação sexual (F= 14,022; p < 0,001), na capacidade orgástica ( F = 34,650; p< 0,001) e na freqüência sexual (F = 7,687; p = 0,008), bem como redução da secura vaginal (x² = 44,153; p < 0,001), da dispareunia (x² = 34,447; p < 0,,01) e do índice menopausal de Kupperman (F= 158,460; p < 0,001). A análise comparativa entre os grupos EP e EP + A mostrou maior interesse sexual não vinculado, exclusivamente, às atividades com o parceiro (x² = 11,551; p = 0,021) e mais altos índices de Castelli I ( F = 8,542; p < 0,001) e índices de Castelli II (F= 11,500; p < 0,001) no grupo EP + A. Não se observaram hirsutismo nem alopecia em nenhum dos grupos; acne grau I foi observada em duas mulheres do grupo EP e em 13 do grupo EP + A. Conclusões: as terapias hormonais com derivados estrogênicos e progestogênicos, isolados e associados à metiltestosterona, causaram impacto positivo em todos os parâmetros sexuais e nos sintomas climatéricos analisados. A associação de metiltestosterona ao tratamento estro-progestacional aumentou o interesse sexual não vinculado, exlusivamente, às atividades com o parceiro e os índices de Castelli I e II. Nos demais parâmetros estudados, não houve diferença entre os dois grupos.

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

SECRETARIA EXECUTIVA

Rui Madureira

Tel.: 11 98176-2323

DESIGN E TRANSMISSÃO

Monjon Design (Bruno)

Tel.: 11 93455-8141

TERMOS

marca_com_sombra-04-bx.png
  • Facebook
  • Instagram